Vidas

Pedir um dia do meu jeito é pedir demais ?                                                    Por que tudo tem que ser assim ?                                                              Por que eu não posso esquecer o que me faz sofrer e só lembrar do que me faz sorrir ?                                                                                             Porque nenhum dia na vida a gente pode decidi como vai ser ?                 Por que as vezes a vida parece ser tão cruel com a gente ?

January 24, 2014  Por Arthur Franco.

Eu queria trazer-te uns versos muito lindos, colhidos no mais íntimo de mim. Suas palavras seriam as mais simples do mundo, porém não sei que luz as iluminaria, que terias de fechar teus olhos para as ouvir. Sim! Uma luz que viria de dentro delas, como essa que acende inesperadas cores nas lanternas chinesas de papel! Trago-te palavras, apenas… e que estão escritas do lado de fora do papel. Não sei, eu nunca soube o que dizer-te e este poema vai morrendo, ardente e puro, ao vento da poesia. Como uma pobre lanterna que incendiou.

Por Mario Quintana

O Amor Acaba

Ás vezes o amor acaba como se fora melhor nunca ter existido; mas pode acabar com doçura e esperança; uma palavra, muda ou articulada, e acaba o amor; na verdade; o álcool; de manhã, de tarde, de noite; na floração excessiva da primavera; no abuso do verão; na dissonância do outono; no conforto do inverno; em todos os lugares o amor acaba; a qualquer hora o amor acaba; por qualquer motivo o amor acaba; para recomeçar em todos os lugares e a qualquer minuto o amor acaba.

Texto extraído do livro “O amor acaba”,  – Rio de Janeiro, 1999, pág. 21 Por Paulo Mendes Campos

Luiza

Rua,
Espada nua
Boia no céu imensa e amarela
Tão redonda a lua
Como flutua
Vem navegando o azul do firmamento
E no silêncio lento
Um trovador, cheio de estrelas
Escuta agora a canção que eu fiz
Pra te esquecer Luiza
Eu sou apenas um pobre amador
Apaixonado
Um aprendiz do teu amor
Acorda amor
Que eu sei que embaixo desta neve mora um coração
Vem cá, Luiza
Me dá tua mão
O teu desejo é sempre o meu desejo
Vem, me exorciza
Dá-me tua boca
E a rosa louca
Vem me dar um beijo
E um raio de sol
Nos teus cabelos
Como um brilhante que partindo a luz
Explode em sete cores
Revelando então os sete mil amores
Que eu guardei somente pra te dar Luiza
Luiza
Luiza

Rifa-se um coração   

Nos Jardins Da Vida

bau-das-palavras:

Tristeza minha senhora?

Vai ficar ou ir embora?

Espinho ou flor?

Ódio ou rancor 

Mais amor por favor

(Fonte: jonasbelloti)